31 de agosto de 2015

Meu primeiro Naked Cake

Por conta da passagem do meu aniversário, na última sexta-feira, resolvi fazer um bolo, em casa mesmo, pra comemorar com os queridos que lembraram e foram até lá me dar um abraço. Sem convites, sem festa, só uma reunião com os que foram chegando.

A intenção era fazer um naked cake - ou uma tentativa dele - já que nunca tinha feito. Não sabia como fazer os cortes, qual recheio usar pra deixá-lo suficientemente firme, nem como decorar sem parecer que estava tudo jogado em cima.

A tradução de Naked Cake, é "bolo nu", então não preciso explicar seu conceito, né? Depois de alguma fuçada na internet, o resultado foi esse:


Como primeira experiência, valeu, mas há muito o que melhorar. Queria a massa com uma corzinha mais uniforme, mas isso não tem muito como controlar. Quanto ao recheio, a consistência ficou ótima, mas a maneira de montar deixou a desejar.

Penso que deveria ter colocado o recheio no meio, e nas laterais, ter feito com o auxílio de um saco de confeiteiro e bico perlê grande. Também deveria ter colocado uma camada grossa de frutas picadas, das mesmas espécies que coloquei no topo do bolo, em cima do creme de confeiteiro, de modo que elas ficassem visíveis nas laterias.

Mas valeu a experiência, e a gente vai aperfeiçoando. Vale dizer que o creme ficou delicioso, é fácil de fazer e cumpre o objetivo perfeitamente. O erro na decoração foi meu, e não do creme!

Quem quiser arriscar, deixo a receita logo abaixo. E clicando AQUI, você vê um vídeo do chef Rafael Barros montando um Naked lindo e dando dicas que, se eu tivesse visto antes, teria salvo o meu bolo! hehehehe...


Ingredientes:

1 litro de leite integral
2 colheres de chá de essência de baunilha
1 e 1/2 xícara de açúcar
6 gemas
1 xícara de amido de milho
2 colheres de sopa de manteiga

Como fiz?

Coloquei o leite, 1/2 xíca de açúcar e a baunilha pra ferver.

Enquanto isso, misturei com um batedor aramado o restante do açúcar às gemas e depois, lentamente, o amido de milho, tudo em uma tigela separada.

Daí fui acrescentando o leite fervido (retirei a nata) lentamente à essa gemada. É importante ir colocando beeeem devagar, concha a concha, e ir mexendo, pra que as gemas não cozinhem com a alta temperatura do leite.

Feito isso, voltei essa mistura ao foro e esperei engrossar. Nessa fase, é preciso mexer sem parar, para não "empelotar".

Peneirei em uma assadeira, cobri com plástico filme (o plástico precisa encostar no creme, pra não criar uma "crosta") e coloquei na geladeira. As receitas que encontrei na internet, desse creme, indicam que ele precisa ficar pelo menos 4 horas na geladeira antes de ser usado, mas que o ideal mesmo é que fique de um dia para o outro. Foi o que eu fiz!

No recheio do meu bolo, coloquei somente pedacinhos de pêssego em calda picados, porque à princípio, ia decorar só com physalis (tudo amarelinho). Depois resolvi colocar frutas vermelhas na decoração, mas o bolo já estava recheado. Já era...  :(

É isso!

Um comentário:

  1. Ficou lindo! E eu perdi!
    Esqueci COMPLETAMENTE! Desculpe, Pati!
    E parabéns atrasado! Muitas felicidades, sempre!!! Beijão =)

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!

Após escrever seu comentário, clique em "comentar como". Vai aparecer uma lista de opções e se você não for usuário de nenhuma delas, clique em "nome/URL". Apenas escreva seu nome. O campo URL é opcional, e nele é preenchido o endereço do seu blog ou site, caso tenha.

Depois é só clicar em "continuar" e em "publicar" (às vezes o sistema pede pra você provar que não é um robô, daí é só clicar no quadradinho, tá?).

Vou adorar ler o que tem para compartilhar comigo... :)