31 de agosto de 2015

A linda arte de Alexandre Honoré


É uma pena que não dê pra saber muito sobre Alexandre Honoré na internet porque o pouco que tem sobre o trabalho dele está num blog que ele mantém, em francês, e sem muita atualização.

Que é um ilustrador, é indiscutível. E dos bons! Sua arte é linda, minuciosa e encantadora. Mas pelo que entendi, é também ator e usa suas ilustrações em seus shows. Posso estar errada quanto a essas deduções, mas uma coisa é certa: o cara é um talento com os pinceis.

Copiei algumas ilustrações aqui, mas dá pra ver mais no blog dele! Antes de ir, espia essa Alice, que delicadeza...


Meu primeiro Naked Cake

Por conta da passagem do meu aniversário, na última sexta-feira, resolvi fazer um bolo, em casa mesmo, pra comemorar com os queridos que lembraram e foram até lá me dar um abraço. Sem convites, sem festa, só uma reunião com os que foram chegando.

A intenção era fazer um naked cake - ou uma tentativa dele - já que nunca tinha feito. Não sabia como fazer os cortes, qual recheio usar pra deixá-lo suficientemente firme, nem como decorar sem parecer que estava tudo jogado em cima.

A tradução de Naked Cake, é "bolo nu", então não preciso explicar seu conceito, né? Depois de alguma fuçada na internet, o resultado foi esse:


Como primeira experiência, valeu, mas há muito o que melhorar. Queria a massa com uma corzinha mais uniforme, mas isso não tem muito como controlar. Quanto ao recheio, a consistência ficou ótima, mas a maneira de montar deixou a desejar.

Penso que deveria ter colocado o recheio no meio, e nas laterais, ter feito com o auxílio de um saco de confeiteiro e bico perlê grande. Também deveria ter colocado uma camada grossa de frutas picadas, das mesmas espécies que coloquei no topo do bolo, em cima do creme de confeiteiro, de modo que elas ficassem visíveis nas laterias.

Mas valeu a experiência, e a gente vai aperfeiçoando. Vale dizer que o creme ficou delicioso, é fácil de fazer e cumpre o objetivo perfeitamente. O erro na decoração foi meu, e não do creme!

Quem quiser arriscar, deixo a receita logo abaixo. E clicando AQUI, você vê um vídeo do chef Rafael Barros montando um Naked lindo e dando dicas que, se eu tivesse visto antes, teria salvo o meu bolo! hehehehe...


Ingredientes:

1 litro de leite integral
2 colheres de chá de essência de baunilha
1 e 1/2 xícara de açúcar
6 gemas
1 xícara de amido de milho
2 colheres de sopa de manteiga

Como fiz?

Coloquei o leite, 1/2 xíca de açúcar e a baunilha pra ferver.

Enquanto isso, misturei com um batedor aramado o restante do açúcar às gemas e depois, lentamente, o amido de milho, tudo em uma tigela separada.

Daí fui acrescentando o leite fervido (retirei a nata) lentamente à essa gemada. É importante ir colocando beeeem devagar, concha a concha, e ir mexendo, pra que as gemas não cozinhem com a alta temperatura do leite.

Feito isso, voltei essa mistura ao foro e esperei engrossar. Nessa fase, é preciso mexer sem parar, para não "empelotar".

Peneirei em uma assadeira, cobri com plástico filme (o plástico precisa encostar no creme, pra não criar uma "crosta") e coloquei na geladeira. As receitas que encontrei na internet, desse creme, indicam que ele precisa ficar pelo menos 4 horas na geladeira antes de ser usado, mas que o ideal mesmo é que fique de um dia para o outro. Foi o que eu fiz!

No recheio do meu bolo, coloquei somente pedacinhos de pêssego em calda picados, porque à princípio, ia decorar só com physalis (tudo amarelinho). Depois resolvi colocar frutas vermelhas na decoração, mas o bolo já estava recheado. Já era...  :(

É isso!

26 de agosto de 2015

Como sobrevivi sem ?

Sou jornalista e já fiz muita pauta #vergonhaalheia, mas mesmo assim ainda me deparo com coisas que me desanimam, tipo o tempo, a dedicação e o dinheiro empregado na matéria do Estadão que diz que em 2016 teremos à disposição mais 38 emojis para pura diversão no whatsapp.


Mas enfim, né? Talvez eu seja rabugenta e não reconheça a relevância dessa prestação de serviço. Prometo que vou rezar mais.

Inclusive, agora me ocorre uma reflexão sobre o assunto... Pessoas que sobreviveram até hoje sem o emoji de bacon: quem são? onde vivem? como se reproduzem? Hoje, no Globo Repórter! #sqn.


Curti o Ken de terninho azul, pra fazer parzinho com a Barbie dançarina de mambo que já existe!


Cansei, beijo, fui!

24 de agosto de 2015

A doce voz de Bebé Salvego

Bebé Salvego é acompanhada pelo irmão Felipe Salvego e pelo pai Otiniel Aleixo

Ouvi Isabella Salvego de Souza, de 11 anos, pela primeira vez, há uma semana. Sua voz é tão doce que entra nos ouvidos de forma arredondada. Dá vontade de ficar ouvindo outra vez, e outra vez, e outra vez, por horas.

Seu gosto musical também surpreende para uma criança na faixa etária dela: jazz é seu gênero favorito. Ano passado, Bebé Salvego, como começa a ser conhecida no meio artístico, fez um pedido inusitado de presente para o Dia das Crianças: pediu um microfone só dela, exclusivo, e igual ao usados pelas divas do jazz nos anos 50/60.

Bebé já nasceu na coxia. O pai é educador e instrumentista. A mãe, produtora. A maturidade musical incomum para uma criança da idade dela parece ter se desenvolvido naturalmente. É uma delícia de ouvir...

19 de agosto de 2015

Agenda para 2059 :: site projeta a data da sua morte


As pessoas dizem que não querem saber, mas quem resiste à tentação de usar um aplicativo que projete sua expectativa de vida? Eu, por exemplo, não gostei nada de saber que a previsão da minha morte é para o dia 28 de agosto de 2059. Como assim, 2059? Vou morrer com menos de 90? E como assim, no dia 28 de agosto, que é meu aniversário? O povo vai comer os croquetes da minha festa no meu velório? Ahhhh não vai merrrrrmo!

Como eu sei disso? Bom, é que o Banco Mundial criou uma ferramenta chamada Population.io - The World Population Project, site em inglês que compila dados de todo o mundo sobre diversos assuntos e visa planejar um futuro melhor para todos. Como hoje em dia tudo pode ser calculado ou estimado, algumas informações e previsões são bem interessantes.

Para os cálculos são considerados dados como segurança alimentar, crescimento urbano e abastecimento de água potável, dentre outros. Um relatório das Nações Unidas estima que o planeta terá 11,2 bilhões de pessoas em 2100. A América Latina terá 784 milhões de habitantes em 2050. Também é exibido uma contagem em "tempo real" de nascimentos no mundo.

Com posse dessas informações, o site pode, por exemplo, determinar a posição de uma pessoa em comparação ao resto da população mundial, estimar quantos anos ela viverá, como seriam estas previsões se você nascesse em outro país, e saber quantas pessoas nasceram no mesmo dia que você no mundo todo, bem como onde a maioria delas está. No meu caso, a maioria das pessoas que aniversariam no mesmo dia que eu estão na China (59.073). No Brasil, são 7971 pessoas, o que dá pra fazer um festão, né?

Quer fuçar lá? Claro, só por curiosidade... hehehe... então acesse o population.io e se programe. Aproveita e faz isso ao som do Paulinho Moska, pra refletir.

12 de agosto de 2015

Sua benção, padre


Awnnnnn, que fofo!... se não fosse padre, ia trancá-lo no meu apartamento por uma semana pra ser meu escravo sexual, ops, amigo de fé!

11 de agosto de 2015

Caesar Pasta do América - ou quase isso...



Esse blog está parecendo um espaço de experiências culinárias, mas não é. Talvez seja uma fase pela qual estou passando, me atrevendo mais na cozinha, não sei, mas o blog não se propõe a ser um espaço dedicado às minhas aventuras gastronômicas.

Por outro lado, fico empolgada com algumas coisas que faço (ou que fazemos, por que às vezes tem as mãos das amigas também), e venho cá postar.

É o caso desse macarrão com molho branco que eu e a Eli tentamos imitar do restaurante América. Olha, não ficou igual, até porque nós não tínhamos a receita e fomos na intuição. Mas ficou beeeeeeeem bom! Beeeeeeem bom mesmo!

E vai farofinha de pão por cima.




No América, o prato chamado Caesar Pasta leva Fettuccine com molho Caesar à base de creme de leite, parmesão e alho, acompanhado de tiras de frango grelhado e farofa crocante de pão, parmesão e manjericão. No nosso, também! cozinhamos a massa normalmente. Para o molho, usamos alho refogado no azeite, farinha de trigo até virar uma farofinha, acrescentamos leite, e esperamos cozinhar, mexendo sempre. Quando o molho estava cozido, colocamos o parmesão e o creme de leite.

A montagem do prato leva pedaços de peito de frango grelhados (cortados em tiras grossas, e de espessuras grossas também), uma farofinha de pão e salsinha.

É bem fácil de preparar, e o nosso ficou mais bonito!

No América                                                                                                                                                                   Na minha casa

Para a farofa de pão, o preparo foi o seguinte: um dentinho de alho frito em umas duas colheres de manteiga bem cheias, farinha de rosca, queijo parmesão e manjericão desidratado. Fica bem sequinha, e por isso, bem crocante. Quanto à massa, usei um linguine que comprei na Eataly SP - veio durinho, embalado no papelão, bem sequinho. O ponto de cozimento também foi perfeito. Só não ficou mais perfeito porque ficamos fazendo book do prato e tudo esfriou... hehehe...

6 de agosto de 2015

Macarrão negro com outros acompanhamentos...

Há uns quinze dias, mais ou menos, postei sobre o macarrão negro que comprei na Eataly, e meus testes para acompanhar a massa, já que não queria colocar molho pra não perder a cor fantástica no prato. Na ocasião, eu testei apenas com um refogado de tomates cereja e ceboletes e prometi que assim que testasse outros acompanhamentos, postaria aqui.

Então vamos lá...

Com camarões

Fiz um teste com camarões salteados no azeite, as mini-cebolas cortadas ao meio e champignons em pétalas. Os camarões ficaram marinando no limão com sal por algum tempinho antes de irem pra frigideira. Pro meu gosto, ficou médio bom. 



Com abobrinha

Esse acompanhamento foi assado no forno, e levou abobrinha, cebola, berinjela e pimentão, tudo cortado grosseiramente e regado no azeite. Vai também azeitona preta, sal e pimenta do reino. Acho que combinou mais que o camarão, pelo menos pro meu paladar. Gostei tanto quanto gostei com a primeira combinação postada há duas semanas.


5 de agosto de 2015

A maionese de cerveja preta do América

A versão do Pub's Burguer do restaurante América traz uma porçãozinha de maionese de cerveja preta que é bem saborosa e diferente. A cebola do lanche também é caramelizada na cerveja preta, e fica um tiquinho adocicada, o que combina bem com os outros sabores que o prato desperta.


No que consiste o pedido, no restaurante? Hamburguer de 150g servido com cebola caramelizada na cerveja preta, provolone grelhado, tapenade de azeitonas, alface frizzé e maionese, no pão australiano. Acompanha batata rústica e maionese de cerveja preta.

Mas dá pra fazer maionese de cerveja preta em casa?

Dá! É só substituir a água da receita pela cerveja que fica ótimo.

1 gema de ovo
1 colher (sopa) de cerveja preta
1/2 limão siciliano (suco peneirado apenas)
1 colher (sopa) de mostarda Dijon
1 xícara (chá) de óleo de canola (200ml)
sal a gosto.

Coloque a gema, a cerveja, a mostarda e o óleo em um copo de boca larga, bata com o mixer sem muito movimento, até a emulsão ficar completa. Acerte o sal e sirva.

-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-

Aproveito e deixo a dica de como obter a cebola caramelizada na cerveja também.

2 cebolas grandes cortadas em rodelas ou meia luas
2 colheres (sopa) de azeite
1 xícara (chá) de cerveja Guiness (ou outra preta do tipo Stout)
1 a 2 colheres (sopa) de açúcar mascavo

Em uma frigideira, refogue a cebola com um fio de azeite em fogo baixo. Mexa de vez em quando até que a cebola fique na cor dourado escuro indo para o marrom. Coloque então a cerveja e o açúcar e deixe reduzir bastante até formar um molho denso.

-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-

Vale lembrar que essa maionese de cerveja preta e a cebola caramelizada combinam perfeitamente com o pão australiano, que também leva cerveja no seu preparo, então o uso desse tipo de pão no preparo da versão caseira do Pub's Burguer é fundamental. Só tenho uma restrição: o tapenade de azeitone é bem forte, tem gosto marcante, e rouba um pouco a cena. Se for fazer em casa, monte o lanche com uma porção bem pequena, ou simplesmente dispense-o. Não faz muita falta...

Tamo junto, miga !

Acho que a miga ai resume o que se espera de um currículo!