31 de julho de 2015

Creme de palmito pra animar uma "noite de meninas"

"Marina, o que você quer comer quando for dormir na casa da tia?
Creme de palmito...
... ou caldinho de feijão"

Qual é a criança de 6 anos que, quando perguntada, escolhe comer sopa? Marina, minha sobrinha, escolhe. E se é de palmito, faço com gosto. Ontem tivemos uma noite de meninas em casa, com direito a fazer as unhas, penteados, cócegas e historinhas.

Fazia creme de palmito com uma base de batata (mesma base que uso pras outras sopas também), mas decidi testar receita nova. Mais fácil, mais rápida, mais limpa e mais magra, acho.

Vou ensinar depois das fotos.



 

Para preparar o creme, refoguei 1 dente de alho amassado em 3 colheres de azeite. Juntei 1 vidro de palmito picado (separei 3 palmitos inteiros para finalizar a sopa) e 1 tablete de caldo de legumes. Deixei refogar bem, acrescentei 2 copos de água e 2 copos de leite. Essa mistura ferveu, ferveu... o leite até talhou. Ficou fervendo uns 10 minutos, em fogo baixo. 

Depois, bati esse caldo no liquidificador com uma colher cheia de amido de milho e voltei pro fogo, até engrossar. Tem que mexer o tempo todo nesse momento, porque senão "empelota". Moí um tiquinho de pimenta do reino branca (mas isso fica a gosto de cada um) e piquei os 3 palmitos que havia separado em rodelinhas dentro do creme.

Servi finalizada com cebolinha e um fiozinho de azeite (o azeite também é opcional).

A jantinha teve até sobremesa preparada pela pequena. 



Você sabe congelar legumes ?

No post anterior ensinei como lacrar saquinhos pra ajudar a manter a vida do alimento, então, acho que o assunto que vou tratar aqui vem a calhar.

Você sabe congelar legumes?


Ter legumes no freezer é uma ótima opção para consumi-los o mais próximo possível do estado in natura, além de facilitar o trabalho na cozinha. Ocorre que são raros os vegetais que podem ser congelados crus. Eles se mantêm melhor depois de serem “branqueados”, ou seja, cozidos rapidamente em água fervente, escorridos, mergulhados em água gelada para brecar totalmente o processo de cozimento, para só depois serem embalados e congelados.

Mas legumes escaldados e congelados perdem nutrientes? Perdem; alguns mais, outros menos, mas perdem. Ainda assim é melhor consumi-los congelados do que não consumi-los e tem muita gente que deixa de comer pq não tem tempo de chegar em casa e prepará-los, ou simplesmente não compram porque invariavelmente eles vão parar no lixo. Eu mesma já joguei muito legume fora porque eles estragavam na gaveta da geladeira.

Melhor congelar então, não acham?

Em primeiro lugar, escolha legumes em bom estado, despreze as partes estragadas e lave-os bem em água corrente.

Para branquear, ponha mais ou menos 300 g de vegetais em um cesto de arame e mergulhe numa panela com água fervendo. Se você não tiver o cesto, ponha o legume direto na água e escorra-o com uma escumadeira grande. Quando a água começar a ferver de novo, conte o tempo conforme a indicação abaixo:

1 minuto
Abobrinha cortada em pedaços

2 minutos
Ervilha fresca em grão e ervilha torta

3 minutos
Abóbora cortada em pedaços, brócolis e couve-flor (somente os buquês), cenoura em rodelas, milho em grãos e quiabo (só inteiro)

5 minutos
Cenoura inteira e mandioquinha

8 minutos
Beterraba inteira de tamanho médio, mandioca, limpa e em pedaços e milho em espiga limpa

Após retirar da água fervente, mergulhe imediatamente em água gelada. Escorra, espalhe em uma assadeira e deixe esfriar completamente. Transfira para a embalagem escolhida, retire o ar e feche a embalagem. Ponha uma etiqueta com o nome do alimento e data e guarde no freezer.

Sugiro consumir em 3 meses… Gostou? Já é uma ajuda e tanto, não?

20 de julho de 2015

Mulherzices :: dicas pra otimizar a geladeira

Hoje eu acordei no ritmo ragatanga pra escrever e depois de ter falado sobre comprinhas inúteis e outras nem tanto, coletores menstruais, bom lugar pra tomar café e meu lindo presente do dia do amigo, vou fechar o dia com duas diquinhas pra otimizar a geladeira.

Minha amiga Eli me deu uma bronca porque eu não posto algumas dicas que sei na internet. Bom, como quem não tem cão, caça com gato, a dica a que se refere é sobre como lacrar saquinhos plásticos sem usar aquele famoso zip, que é caro pra caramba no mercado. Eu ensinei num vídeo doméstico e totalmente amador, mas acho que dá pra entender.


A segunda dica é sobre embalagens de papelão na geladeira. Não vou abordar o assunto pelo lado da falta de higiene que é colocar as embalagens de papelão direto na geladeira, porque quem nunca né? Sua mãe faz, você faz, eu faço, todo mundo faz. A pizza que sobra vai direto pra geladeira na caixa mesmo, pra ser esquentada no dia seguinte e ainda servir de café da manhã. Adoro!

Se fôssemos nos preocupar com a porquice que é colocar caixas de papelão na geladeira, iríamos surtar, porque o mesmo se aplicaria aos ovos do toba da galinha, às embalagens de iogurte, de leite e afins. Para né?

Mas eis que, em épocas em que a energia elétrica tá custando mais que carne de primeira, vale a pena saber que papelão consome muuuuuita 'força'. Quando colocamos um alimento na geladeira, há uma troca de temperatura até que ambos atinjam a mesma faixa. Em termos bem simplórios, é como se a geladeira puxasse o quente do alimento e o alimento puxasse o frio da geladeira, até que ambos fiquem na mesma temperatura.

No caso do papelão, que não gela (ou pelo menos não segura a temperatura), ele fica constantemente puxando a temperatura fria da geladeira, sem nunca conseguir atingir os graus que devem estar no ambiente (o tetrapack é diferente). Resultado? Consumo excessivo de energia. É a mesma coisa que acontece quando abrimos a geladeira a todo instante: o ar quente entra e a geladeira tem que trabalhar mais pra equilibrar a temperatura lá dentro.

Então, migas miguchas, nada de papelão na geladeira, ok? É bom pro bolso e é bom pro meio ambiente.

Presente do "Dia do Amigo"

Eu adoro São Francisco de Assis. Acho a história dele linda, a oração mais linda ainda, e as imagens absolutamente simpáticas, tanto que tenho um monte na minha casa. Tenho de madeira, de barro, de tecido, de cerâmica... E hoje, no Dia do Amigo, ganhei mais uma tão fofa que estou devotando toda minha paixão a ela. 

Obrigada amiga, pelo presente! Obrigada também aos muitos que me enviaram mensagens no whatsapp. Beijocas a todos!




Ativismo de sofá :: coletor menstrual não é tãaaaao legal quanto parece na internet

Parte 1

Primeiro quero relatar que estou me sentindo escrevendo uma matéria para a extinta revista Capricho, ou praquele guia lacrado da revista Nova, sabe? Mulherada sabe...

Não ia escrever sobre minha experiência com os coletores menstruais agora porque acho que nesse momento seria um pouco  má vontade da minha parte, já que tô de nariz torcido com o artefato e parece que sou a única no mundo.

Todos os depoimentos a respeito do uso de coletor menstrual na internet relatam maravilhas. Só eu não gostei gente? Ok, talvez não tenha dado chance ao mimo, então vou tentar mais vezes. Sendo assim, com tão pouca experiência com o seu uso, a princípio ia deixar pra falar disso quando tivesse mais propriedade sobre o assunto.

Mas daí pensei e resolvi que assim como eu, devem existir outras mulheres iniciantes no uso dos coletores, ainda não adaptadas, com os mesmos bodes que eu.

Então migas, esse post é um desabafo. Talvez, daqui uns meses, eu reescreva sobre o uso do coletor menstrual com uma nova visão da coisa. Quem sabe assistindo ao vídeo abaixo todo dia, eu não me convença dos benefícios de se andar com uma tigela dentro de mim 4 dias por mês?? Pelo menos evitaria esse mico aí da moça...



Mas fato é que hoje coletor menstrual pra mim é um bicho de 7 cabeças. Vou contar o por quê.

Sobre o discurso de que a mulher, ao colocar o coletor, ganha em conhecimento do corpo, balela. Não preciso de um coletor menstrual pra me autoconhecer. Também não sou dessas que acham que a menstruação é uma dádiva, que transforma a mulher quase numa divindade, e que tornam o período menstrual um ritual sagrado. Já li dicas na internet de mulheres que usam o fluxo menstrual que recolhem no coletor, nas suas plantas. Nem fod#@*%¨!! que eu jogo menstruação nas minhas plantas e fico com a casa alagada de sangue.

Então porque eu resolvi experimentar? porque sou bem preocupada com a questão ambiental e acho que, assim como estamos vivendo a crise da água em SP, logo estaremos vivendo a crise do lixo, e não falta muito tempo pra isso acontecer.

Sendo assim, sobre a questão ambiental, nem discuto. Todos os pontos pro coletor.

E na prática? Bom, na prática, o que percebi é que apesar de ser uma ótima opção pra resolver o problema de se jogar 4 absorventes por dia no lixo (e eu já menstruo há 25 anos), o uso do coletor é impraticável pra mim.

1. Acertando o ponto

O coletor é um copinho de silicone, molinho, cuja boca precisa ser dobrada e colocada dentro do nosso canal vaginal com os dedos. Até aí, sem problemas. São necessários no mínimo 3 dedos pra conseguir dobrar minimamente a boca desse copinho. Dentro do corpo, ao soltarmos, o copinho abre e adere à parede do canal, o que cria um vácuo. Nas primeiras vezes que tentei, doeu, mas é porque estava colocado errado. Foi assim também com o absorvente interno quando comecei a usar. Então, tudo bem... Eu sabia que era uma questão de acertar o jeito. 

2. Como colocar

Antes de tentar, li instruções na internet. Alguns depoimentos dizem que agachada é ótimo, deitada no chão do banheiro é ótimo, com a perna no teto é ótimo, dobrada que nem um origami é ótimo... ou seja, pra todas as técnicas é necessário o mínino de espaço e higiêne, coisa que um banheiro público não tem. O melhor jeito é sentada no vaso sanitário, mas quem senta num vaso sanitário de banheiro público?

3. E como tirar

Aí é que são elas. Como o coletor adere à parece vaginal, pra tirar não é simplesinho não. Além de doer, a coisa faz uma sucção dentro da gente e sai como uma bomba. Ploft! e se bobear, espalha o sangue pra todo o lado. É tenso, principalmente se estamos em pé, naquela posição banheiro público, sabe? Percebem que é sempre o banheiro público a pedra no sapato (nesse caso, na calcinha!)

4. Quando esvaziar

Outro problema, já que a gente não vê quando o coletor está cheio. A aderência que forma com o canal do nosso corpo não deixa o sangue vazar, o que seria ótimo, mas pensem... A menstruação tem que sair, não pode ficar lá acumulada só porque tem um plástico obstruindo a saída. Não é como o absorvente interno que quando satura sua capacidade, vaza. O coletor não deixa. Nos sites, dizem que podemos ficar com o coletor, sem esvaziar, de 4 a 12 horas. Oi? Não rola... No absorvente pelo menos a gente vê quando tá na hora de trocar.

5. Como esvaziar

Bom, até agora todos os problemas que relatei são contornáveis. Mas aí vem a hora de esvaziar. Em casa, tudo bem. Lavo as mãos, sento no vaso, tiro o coletor, lavo o coletor, coloco de novo, lavo as mãos, fim. Mas levando em consideração que trabalho fora, e que passo quase 13 horas do dia longe do meu banheiro, como fazer? A internet, sempre ela, dá a seguinte ajuda: carregue uma garrafinha com água dentro da bolsa, pra lavar o coletor.

Ok, gente. Eu entro no banheiro - público, claro - e com uma das mãos tenho que segurar a porta. com a outra, tenho que tirar o coletor, em pé, com cuidado pra que na hora que ele sair (lembrando que sai com pressão, porque aderiu ao meu canal) não voe sangue pra todo lado. Aí, com as duas mãos ocupadas, tenho que pegar a garrafinha na bolsa, lavar o coletor e colocá-lo de volta, tudo isso sem encostar em nada do banheiro.

Enquanto isso, a menstruação não pára, então, ao colocar o coletor de volta, inevitavelmente vou sujar os dedos. Então, nessa hora, com uma mão suja, a outra segurando a porta, e eu em pé, tenho que me vestir, acionar a descarga e sair do cubículo pra lavar a mão láaaaaa fora (porque pia de banheiro público é sempre longe do vaso). E o mais legal: vou fazer isso com os dedos de açougueiro, né? Sujos de sangue. Claro, toda essa logística levando em consideração que você é craque em colocar o coletor, porque senão, vai precisar sentar ou agachar. Aí miga, lascou. Fora que, carregar uma garrafa de água na bolsa é mais leve que carregar 3 absorventes? Não!

Então assim, quem leu o meu relato e tiver dicas de como tornar o uso do coletor menstrual menos sofrível, por favor, me conta. Talvez eu esteja fazendo um drama, como também é um drama a dor de cabeça que eu sinto todo mês antes de menstruar. Mimimis a parte, eu to fora, por enquanto!

Parte 2

E por falar em mimimi, recebi um link de um videozinho da Disney, de 1946, que conta a história da menstruação. Bom, de tanto enfiar princesas nas nossas goelas, não teriam como escapar dessa abordagem, né? Então, produziram um video bem educativo explicando que menstruação não é doença, e que você pode até dar uma espanada na casa nesse período. Não são fofos? #sqn


Só esqueceram de explicar como é que a Branca de Neve consegue cantar com passarinhos mesmo tendo que lavar cueca de 7 homens por dia, além dos seus paninhos de bunda; de como a princesa Aurora não morreu afogada na própria menstruação já que ela dormiu por cem anos; de como a Cinderela, no dia do baile, conseguiu trocar o absorvente usando aquele vestido da ala das baianas e de como a Ariel não morre de cólica mesmo vivendo na água fria a vida toda.

Será que só a Malévola menstrua nesse mundo encantado?

Ahhhh os contos de fada...

Chá de cueca ou chá com os Beatles ? Na minha casa você escolhe...

Calma meninas... nem precisa correr pegar o caderninho pra anotar como se faz o chá de cueca porque eu não vou dar uma receitinha de macumba pra segurar o boy!

Sabe aquelas tranqueirinhas que não tem a menor necessidade de se ter mas a gente compra mesmo assim porque é fofo? Então... Essa foi a motivação pra eu comprar infusores de chá em formato de homenzinhos que estão no ofurô! hehehe...

Por U$ 1,37 (da pra comprar clicando aqui) e depois de 2 meses de espera, finalmente eles chegaram. Tão lindinhos com suas calçolas furadinhas...






Daí como já estava na farra da compra no site chinês, aproveitei e comprei esse da foto abaixo também. Um tiquinho mais caro - U$ 1,72 (aqui), mas muito mais legal.





Tá... ok... é tudo meio tranqueira mesmo. Mas é legal, vai? Agora, o que não é nada tranqueira e fica a dica aqui (além do link pra compra), são as facas com lâminas de cerâmica que no Brasil custam #ozóidacara. 

Elas são fantásticas, com um corte tão afiado que nas primeiras vezes eu tive até medo de usar. Já cheguei a encontrar essas facas por quase R$ 60 cada. No site chinês paguei U$ 18,62 por 4 delas. Além de mais baratas, são lindas. Brancas como as minhas, com cabos de bamboo, nunca vi aqui. Tem outras opções de cores e tamanhos, tanto das facas quanto dos kits no www.aliexpress.com.

Demora toda a vida pra chegar, mas vale muito a pena.


 

Bolo da Dinha :: que lugarzinho mais fofo !


Eu já fiz alguns posts sobre lugares que eu gosto de visitar na minha cidade. Em sua maioria são cafés charmosos que merecem destaque porque aqui onde eu moro não se vê muito charme por aí.

Não é o caso da casa de bolos "Bolo da Dinha", que não fica exatamente na cidade onde moro mas é tão pertinho que tá valendo. O lugar é lindinho, tem bom atendimento e preço justo. Ótimo pra tomar um cafezinho caipira!

Bora conhecer?





Serviço:
Bolo da Dinha
Avenida Martin Luther King, 2635 - Cidade São Francisco, São Paulo - SP
(11) 3763-2064
Abre as segundas das 12h às 19. Nos demais dias da semana, das 10h às 19h
www.bolodadinha.com.br

16 de julho de 2015

O fantástico macarrão negro


Na minha última visita à Eataly, comprei uma caixinha com 200gr de macarrão negro, característica conseguida por causa da tinta de lula que vai na preparação da massa.

Olha, devo dizer que a coisa é fantástica. Fiquei pensando no tipo de molho que acompanharia essa massa. Nenhum me convenceu porque qual o sentido de se ter uma massa negra se ela vai ser escondida por molho?

Desisti do molho.

Então enquanto a massa cozinhava, eu fritei alho no azeite e juntei ceboletes cortadas ao meio, tomates cereja cortados ao meio, salsa e sal vermelho. 

Gosto do macarrão al dente, e esse ponto, na massa negra, é diferente do al dente da massa comum. Tentando explicar, ele fica mais consistente, mais firminho, mas com a textura bem levinha. 

Ele também não solta a coloração na água, absorve bem o sabor do acompanhamento e não tem cheiro de nada.

Não fosse pelo preço salgado - R$ 26 por 200 gr - acho que comeria todo dia, de tanto que gostei!! Vou testar com outros acompanhamentos e depois conto com o que ele combina mais.  



14 de julho de 2015

Encontro de canetinhas na minha casa, com receitas


"Canetinhas" é o nome do grupo de amigas jornalistas do qual faço parte e que com certa frequência reúne seus membros pra beber e falar mal dos recalcados matar as saudades. O encontro de ontem, com alguns desfalques, aconteceu na minha casa, e nada de pizza dessa vez!

#lamentopelasquenaoforam  #comidinhacaseiraprasamigas  #abrindoacasapraboaenergiaentrar

Precisava pensar em alguma coisa bem rapidinha de cozinhar porque foi numa segunda e eu ia chegar do trabalho quase na hora marcada com as meninas. Então rolou uma ideia das arábias! (tá, o trocadilho é infame, mas deixa... )

Preparei um quibe de bandeja e enquanto ele estava no forno minha amiga Eli chegou pra dar uma força e completar o menu. Teve quibe, homus, jajeh, tabule e um saladão, tudo com receitinha abaixo pra ficar fácil, fácil pras migas!  ;)



Quibe de bandeja (ou quibe assado)

800gr de patinho moído, 500gr de trigo para quibe, 6 tabletes de caldo de carne, 2 cebolas picadas, 1 colher de pimenta síria, 6 dentes de alho amassados, 1/2 xícara de hortelã picada, 1 colher generosa de margarina e 6 copos de água.

Ferver a água junto com os cubos de caldo de carne, e despejar sobre o trigo. Esperar mais ou menos 1 hora, até que o trigo esteja hidratado, e juntar os outros ingredientes. O segredo é misturar até cansar. 

Coloque em assadeira antiaderente, salpique com colheradas de margarina por cima e cubra com papel alumínio para ir ao forno. Quando ele já estiver com um aspecto cozido, retire o papel alumínio e deixe mais uns minutinhos no forno para dourar.



Jajeh

Sirvo o Jajeh, que é um molho de coalhada (ou iogurte) com pepino, com o quibe assado. A receita pede 2 copos de iogurte natural sem açúcar, de consistência firme, 2 pepinos sem casca e picados milimetricamente (tipo japonês), 1 dente de alho espremido (passados 2 vezes no espremedor) e um punhadinho de hortelã desidratada (saquinho de chá de hortelã também serve). Ajuste o sal e coloque 2 ou 3 cubos de gelo (o gelo é imprescindível!)




Homus

400 g de grão-de-bico em lata - escorrido e com metade da água reservada, 4 colheres (sopa) de suco de limão siciliano, 2 colheres (sopa) de tahine, 2 dentes de alho amassados, 1 colher (chá) de sal, 2 colheres (sopa) de azeite

No liquidificador, coloque o grão-de-bico com a água reservada. Acrescente o suco de limão, o tahine, o alho picado e o sal. Bata os ingredientes até que fiquem cremosos e bem misturados. Transfira essa pasta de grão-de-bico para a tigela e regue com azeite. Sirva com pão sírio.



Tabule

4 colheres de sopa de trigo para quibe, 1/2 xícara (120 ml) de água fervendo, 1 xícara de salsa picada, 1/4 xícara de hortelã picada, 5 tomates cortados em cubos, 1 cebola bem picada, 2 colheres (chá) de azeite extravirgem, Suco de 1 limão, sal a gosto

Coloque o trigo em uma vasilha, adicione a água fervendo, misture e deixe-o hidratando por 1 hora. Em seguida, escorra-o e aperte-o para retirar o excesso de água. Acrescente os ingredientes restantes ao trigo e misture bem.

13 de julho de 2015

Pra Mari, beijo das primas



O beijo é pela entrada nos 15 anos, que espero ser de total felicidade e aproveitamento da juventude! Vou aproveitar e mostrar a decoração escolhida por ela que, diga-se de passagem, não foi nada convencional. Não é o que se espera ver numa festa de quinze anos, geralmente toda rosinha...

A da Mari não... A da Mari foi viva, cheia de cores, perfeita, linda, ousada, alegre, apaixonante. Tô babando até agora!

Vou compartilhar as fotos, pra servir de inspiração pra outras festas, de outras meninas, de outros tantos 15 anos! Perdoem-me pela qualidade das imagens, mas as fotos são de celular...  :(




E cá estão os meus amores, afilhado e filhote, recebendo uma carinhosa homenagem da Mari. Lindinha!!!

Extra! Extra! Jornal de hoje #sqn


O extinto Jornal do Brasil disponibilizou todo o seu acervo na internet, o que é muito legal porque dá pra saber o que foi notícia no dia em que você nasceu. A edição do dia 28 de agosto de 1974, entre outras coisas, traz as seguintes notícias:

"Entrega do emissário de Ipanema será sete meses depois do prazo"
"Brasil e Inglaterra querem equilibrar contas externas"
"Polícia bate em ancião de 84 anos"
"Radialista é demitido por crítica"
"Secretaria de Segurança desmente tolerância aos jogos de azar na cidade"
"Reformulação do esporte estará pronta dia 10"

Não fosse pelos anúncios do Opala, do Dodge 1800 e do Maverick, essa edição poderia ser perfeitamente confundida com a de hoje, não? "Oh, Brasil do meu amor, terra de nosso Senhor..."

Bom, pra quem se interessar, é só clicar aqui e fuçar lá. Dá pra ver a capa, o conteúdo interno e até imprimir o jornal que você escolher, de qualquer data! É bem legal...

6 de julho de 2015

A sensacional - e cara - Eataly São Paulo


Pense em um lugar fantástico, com gente bonita, boa comida, muita variedade de produtos de gastronomia, onde absolutamente tudo agrada aos olhos. A Eatlay é assim. Recém chegada a São Paulo, no início, a loja, que reúne 7 mil produtos (entre italianos e brasileiros que seguem receitas tradicionais italianas) tinha fila na porta pra entrar, mesmo com seus 4.500 metros quadrados de construção, o que dá pra acomodar muita gente. Hoje não tem mais fila, mas é bem concorrida. 



Não é pra menos. A missão da loja é "dedicar a maior parte do dia a dia a promover o real entendimento de comidas e bebidas de alta qualidade", e isso eles conseguem com o pé nas costas. Já o conceito não é seguido tão a risca assim. De acordo com o site, A Eataly quer quebrar o paradigma de que comida de qualidade é para a boca de poucos. "Comer e comprar produtos de qualidade deve ser um direito de todos", dizem eles. Bom, isso depende de quanto você tem no bolso. Achei que tudo lá custa #ozóidacara. Paguei por um pacote de linguine, um vidro de molho com funghi e um vidro de vinagre balsâmico, R$ 67. Mas como não é todo dia que eu troco um rim por um pacote de macarrão, então ok, né? 


Nos restaurantes, os preços são mais justos. Num pedaço generoso de Focaccia de alcachofra e cogumelos, paguei R$ 10. Cafés e doces também tem preços convidativos, e o preço do estacionamento surpreende de bom - R$ 10.


A ideia por trás da Eataly é reunir todos os alimentos italianos de qualidade sob o mesmo teto, um lugar onde você pode comer, comprar e aprender. Existem 29 lojas no mundo. Quinze delas estão na Itália, nove estão no Japão, duas nos Estados Unidos, uma em Dubai, uma em Istambul e agora, essa em São Paulo. Bora conhecer? É um passeio delicioso.







Serviço:
Eataly SP
Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 1489, São Paulo
Telefone: (11) 3279-3300
Horários de Funcionamento
Mercado: Todos os dias das 8h às 23h
Restaurantes: consulte o horário de cada na aba “RESTAURANTES” do site www.eataly.com.br