29 de outubro de 2014

Estou no Pinterest


Há algum tempo - não muito - sou usuária do pinterest, um site bastante conhecido e amplamente seguido, cuja função principal é postar fotos, numa espécie de mural - não como o instagram, que não tenho e nem pretendo, e sim mais amplo, mais abrangente, mais impessoal e com objetivo diferente.

Lá, as pessoas postam basicamente ideias.

Até ontem eu só o usava como fonte de inspiração. Olhava, guardava alguns posts em meus painéis para consultar em ocasiões diferentes, colhia informações visuais sobre decoração, jardinagem, bricolagem e afins.

Não sabia e nunca havia me interessado em pesquisar como postar algo por lá.

Simples que é, ontem foi minha estreia nesse espaço, não como pinadora, mas como colaboradora da rede. Meu primeiro "pin" foi sobre jardinagem.

Depois postei também fotos de decoração de festa infantil, feita em casa, pro aniversário da sobrinha  e hoje a tarde pretendo selecionar mais alguma coisa pra postar por lá (na foto acima, as imagens indicadas com setinha são minhas).

Agora tô igual criança quando ganha brinquedo novo!!   :)

28 de outubro de 2014

Okno v Parizh


Há alguns anos, na faculdade, comecei a assistir o filme Salada Russa em Paris, durante a aula. Como é comprido - cerca de 85 minutos - não foi possível ver o filme todo naquela ocasião, e aquilo ficou na minha cabeça por anos.

Depois de muito tempo tentei achar esse filme e nada...

Tentei baixar na internet e nada...

Até que ganhei uma cópia, pirata, de boa qualidade, e o melhor: legendado (a versão que tem hoje no youtube - e que não tinha na época - é legendada também!).

Assisti quando ganhei, há uns 4 anos, e vi de novo depois algumas vezes, incluindo ontem.

É impressionante! Categorizado como drama, o filme, cujo título original é "Uma janela para Paris", é inteligente e divertido, e fala sobre a difícil passagem do comunismo para o capitalismo na Rússia de hoje, com bons comentários sobre consumo, solidariedade e amizade. 

Tem grande dose de realismo fantástico, um pouco do encanto com a infância, um grande respeito pelo ser humano sensível, em especial pelo artista (é a arte que liga os principais personagens, o professor-músico russo e a escultora francesa), uma visão negra da vida na Rússia mafiosa de Yeltsin e um tanto de respeito pelos valores que a Revolução tentou implantar e que o fim do comunismo levou embora. 

Lembra, nesse ponto, o grande filme de Szabo quando ele voltou à Hungria natal, o tristíssimo Queridas Amigas. O diálogo em que o professor-músico tenta convencer as crianças a deixar Paris para voltar à privação de São Petersburgo é de chorar: “Nascemos num lugar e numa época errados, vivemos num país pobre, mas se não estivermos lá não vamos conseguir fazer nada pra mudar isso”.

Vale a pena...

A revista Bárbara, em 1996, traz a seguinte resenha sobre a obra:

De um lado, um quase inferno, o pior de todos os mundos, a privação das coisas mais básicas, como comida e moradia decentes. Do outro, uma visão do paraíso, a terra prometida de todas as tentações materiais imagináveis. Salada Russa em Paris (Salades Russes, Rússia-França, 1993, Flashstar) é sobre uma janela fantástica que separa e ao mesmo tempo une esses dois universos antagônicos. A janela, em uma habitação coletiva para várias famílias na São Petersburgo empobrecida pelo desmoronamento do comunismo, é descoberta pelos moradores do lugar, um bando de personagens malucos, hilariantes, e no entanto tão parecidos com a gente. Eles abrem a janela na Rússia e Shazam! do outro lado estão no coração de Paris. A partir desse passe de mágica, o diretor Youri Mamine cria uma fábula deliciosa, inteligente e emocionante.

Ficha técnica: Salada Russa em Paris/Salades Russes, ou Okno v Parizh
De Youri Mamime, França-Rússia, 1993.
Com Agnès Soral, Serguei Dantsow, Nina Oussatova, Victor Mikhailov.
Roteiro Youri Mamine e Arkadi Tigai
Música Youri Mamine e Alexei Zalivalov
Cor, 87 min

27 de outubro de 2014

Tapete na cozinha :: essa moda pega?

Desde que comprei meu apartamento, ainda na planta, já venho bisbilhotando sites e blogs de decoração, e tenho visto que o uso de tapete na cozinha é uma tendência. 

Não falo das tradicionais passadeiras que as pessoas usam em frente às pias, e sim de tapetes centrais mesmo, maiores, que ocupam o espaço da cozinha e ganham destaque na decoração.

Gosto da ideia, mas fiquei pensando em como fazer isso em uma cozinha cujo espaço, fora a pia, tem no máximo 1,5m de largura?

Além de não conseguir obedecer à regra que diz que o uso correto de tapetes, em qualquer ambiente, deve respeitar os 91cm de "moldura" de todos os lados da peça (se eu deixar 91cm de espaço entre meu tapete e a parede, a cozinha acabou!! rsrsrs...), ainda teria o fato de conseguir achar um modelo que se encaixasse no estilo dos meus móveis, sem comprometer muito a decoração da cozinha, que já é tão pequena!

Pois bem! resolvi arriscar, com um modelo bem rústico, tecido a mão, e acho que estou satisfeita. Creio, inclusive, que após a instalação do gabinete da pia - que ainda não foi feito - o resultado será ainda melhor.

Na minha casa, a moda pegou, apesar de já ter reparado na caretinha da minha mãe, quando viu! rsrs...

E aí? Quem opina?

(clique nas imagens para ampliar)




Como eu vinha fazendo, aproveito o post pra mostrar como ficaram os móveis recém-instalados (o inconveniente dessa cozinha - além do preço, uff! - é o cheiro que a madeira tem, o que espero que suma com o tempo).

Um tiquinho por vez, a casa foi tomando forma e agora já está quase, quase pronta... quase!

Haja fôlego!   :)








20 de outubro de 2014

O sufoco, em números !


O sistema Cantareira, que abastece a maior parte de SP, está operando hoje com 3,6% de sua capacidade.

O desmatamento na amazônia aumentou 191% no último ano.

A emissão de gás carbônico no Brasil aumentou 58% nos últimos 20 anos.

Na metrópole de SP, tem-se 2,6m² de área verde por habitante (o ideal são 12m², segundo a ONU).

Chegamos, na sexta-feira, à 37,8ºC em SP, a maior temperatura já resgitrada no estado nos últimos 70 anos (isso oficialmente, pq os termômetros de rua, em alguns lugares, indicavam 40ºC ).

Estudo do IPCC estima que a temperatura do planeta pode subir quase 5ºC até o fim do século.

O mesmo IPCC diz que, na pior estimativa, o nível dos oceanos devem subir 82cm durante este século.

E por falar em oceanos, as águas já absorveram 30% da emissão de CO2, tornando-os mais ácidos, comprometendo a vida marinha e consequentemente todo o ecossistema terrestre (o estudo afirma que a mudança climática afetará os processos do ciclo do carbono, impulsionando o aumento de CO2 na atmosfera).

Se voltar a chover a média, o sistema Cantareira levará 5 anos para voltar ao normal (70% da capacidade).

E mesmo diante do caos, hoje de manhã, no caminho entre minha casa e o meu trabalho, uma pessoa lavava o carro e duas outras lavavam suas calçadas!!!   :(

13 de outubro de 2014

Merendinha de criança

O dia das crianças na minha família foi comemorado com um café para os pequenos, na casa da minha irmã. E olha a mesa bonitinha que eles ganharam!! Minha contribuição foi o bolo... :)








6 de outubro de 2014

The day after :: a ressaca moral das eleições


Após constatar que o Ibope, Datafolha e institutos similares inventaram uma nova margem de "puta erro" nas pesquisas, que agora é de 20% a mais ou 20% a menos, resta esperar pelas cenas dos próximos capítulos assistindo à carnificina que será esse segundo turno das eleições para presidente, no Brasil.

Pelo andar da carruagem, vou falar sobre 2014 pelo resto da minha vida. Vou contar pros meus netos, bisnetos, vagar com os coleguinhas de asilo e até trocar ideia com São Pedro sobre o assunto enquanto espero ele achar a chave no big molho que abre o portão do paraíso (mas isso daqui uns 70 anos, espero...)

O fato é que, mesmo antes de a eleição terminar, o saldo já é uma piada. Tem Tiririca eleito novamente, Celso Russomanno pela quinta vez, e Sérgio Reis vai cantar "nesta casa tem goteira, pinga ni mim" na Câmara. "Panela Velha é que faz comida boa" também estaria valendo.

Em SP, fico tentando imaginar o que todas aquelas pessoas queriam nas ruas em junho do ano passado. Certeza de que 85% imaginavam que estavam numa micareta e nem sabiam que aquilo era manifestação, porque só essa explicação justificaria o resultado da eleição aqui. 

Tem Romário no Senado, pelo RJ. Tem Bebeto na Assembleia (também no Rio, graças a Deus). Mas aqui Feliciano vai, infelizmente, nos representar novamente.

Facebook vai continuar sendo a privada de sempre, local que permite a campanha mais suja e sem regras de todos os tempos.

Aliás, regra mesmo, só no debate da Globo. Tem tanta regra difícil de entender que deveria ser apresentado pelo Pedro Bial, que já está acostumado com o manual e com candidato cuja imagem depende da edição do programa.

E por falar em midia, tem a Revista Veja divulgando que o candidato Eduardo Jorge (PV) lê Toy Story, enquanto o próprio declara ler Tolstói.

Tem a Marina (que aliás era a minha aposta) brincando de Flipper - sobe, faz uma gracinha e volta a afundar. 

E tem, pasmem, mesário esperando eleitor com mesa de café da manhã arrumada, no Ceará. Pode isso, Arnaldo?

No fim das contas, o que não tem mesmo é novidade. O velho duelo PT x PSDB continua. Só um pedido: nos próximos debates, 1 minuto de tréplica para os tuiteiros, que é o que tem valido a pena nessas eleições.

3 de outubro de 2014

O estrago e o conserto do quadro da minha sala

Há umas duas semanas eu comprei dois quadros pra uma parede sem graça da minha sala. São quadros diferentes, porém, com a mesma temática: pássaros.

Fixei, achei lindo, fiquei satisfeita. Mas eis que no dia seguinte um deles apresentou uma bolha. Eu ia lá, alisava, ele voltava ao normal, e depois de uns minutos a bolha voltava. Retirei da parede e vi que se tratava de uma imagem impressa em material semelhante à uma lona beeem fininha, com certa textura, colada em uma base dura, e que essa cola não havia sido passada de forma uniforme. Retirei com cuidado a imagem da base, passei cola com pincel nela toda e recoloquei. Emoldurei novamente e o problema da bolha estava resolvido.

Mas aí outra coisa começou a me incomodar. De tanto eu esfregar o quadro pra bolha sair, antes de passar a cola, a imagem ficou com uma mancha. Sempre fiz isso com a mão limpa, mas minha impressão era de que a mancha era de sujeira do meu dedo, sabe? De oleosidade da pele, ou da sujeira que os dedos acumulam de tanto tocar nas coisas durante o dia... sei lá. Cismei que era sujeira.

Peguei um paninho desses do tipo perfex e umideci com um pouquinho só de líquido próprio pra limpeza. Só de encostá-lo no quadro, o local já ficou azul. Achei que era a tinta do pano que estava soltando, e então peguei uma esponja nova, molhei e fui correndo tentar tirar a tinta. Passei no quadro e imediatamente o local ficou branco. Daí me dei conta de que a tinta que estava soltando era a da impressão da imagem, e não do pano de limpeza.

Apesar de o local ser bege,  a tinta soltava meio azul porque deve ter sido a cor usada na pigmentação. Eu imaginava que a imagem de pássaro do quadro já havia sido impressa em fundo bege. Nunca pensei que toda a área do quadro era impressa.

Então tive a brilhante ideia de esponjar o quadro todo e dar-lhe um ar desgastado, antigo. A cada nova tentativa, a coisa só piorava. Não ficou com cara nem de sujo, nem de velho. Ficou com cara de estragado mesmo!

Enfim, depois de toda essa operação, perdi o quadro. Ficou assim:




Comprei outro, já substituí, ficou tudo bem!

Mas pra não perder o quadro que eu estraguei, usei a técnica do scrap e mudei a característica da antiga tela que agora vai ocupar outro lugar na minha casa.
 
Ficou assim:
 



 
    



 

1 de outubro de 2014

Pelo Dia da Música

Soluções que, de fato, solucionam :: escondendo fios

Tem um monte de dica na internet de soluções caseiras para problemas comuns. Algumas desanimam porque não resolvem de fato. Outras desanimam porque o material usado é ruim (dicas com garrafa pet por exemplo, eu nem olho...)

Mas as dicas de como esconder aquele emaranhado de fios que se junta próximo as tomadas são quase todas bem interessantes (também são quase todas bem iguais... hehehe).



Esses fios que aparecem na foto nem ficavam tão aparentes assim, porque eu empurrava tudo pra debaixo da cama. Mas limpar o quarto com esse monte de coisas no chão era bem chato. Além disso, o problema não eram os fios do chão e sim os que vinham de cima da mesa para serem ligados na extensão. Tinha o fio do notebook, do modem, da luminária e do carregador do celular, tudo pendurado da mesa pro chão.

Ontem adotei a ideia da caixinha no quarto do meu filho, e acho que ficou a contento.