19 de agosto de 2014

"Dificuldezas" da Língua Portuguesa :: olimpíada ou olimpíadas?


Duro para qualquer brasileiro é tropeçar na língua portuguesa. Mais duro ainda, é quando esse brasileiro é jornalista, como eu, que vive da escrita, e comete erros. 

Mas como escapar deles quando lidamos com uma língua tão complexa e cheia de armadilhas, como a nossa?

Hoje me deparei com uma dúvida. Não sei bem porque mas achei que a palavra Olimpíadas não admitia singular. Então, ao pesquisar, vi que não apenas admite como é recomendável utilizá-la ao nos referirmos aos Jogos Olímpicos que acontecem no Brasil, em 2016, por exemplo.

E eu toda pimpona falando pra lá e pra cá sobre as Olimpíadas de 2016!! Surpresas da língua portuguesa, como também foi suspresa o plural de artesão. Mas isso está em outro post... :)

Sobre a Olimpíada, quem tiver curiosidade para ler a explicação, segue na íntegra. A partir de agora o texto não é mais meu.

No Manual do Estado, E. Martins é categórico ao recomendar Olimpíada em vez de Olimpíadas; já Sacconi acaba com a recomendação de E. Martins, dizendo que ela foi válida em 400 a.C. O que vocês diriam? G. C., São Paulo/SP


Nós, do Língua Brasil, somos, em princípio, a favor do que a maioria do povo brasileiro usa. E no caso já está disseminado o plural Olimpíadas para designar cada edição dos Jogos Olímpicos. Assim é que os dicionários dão como certo tanto um quanto outro termo.


Originalmente usava-se o singular porque Olimpíada quer dizer “espaço de quatro anos”; significa o intervalo de tempo entre um evento e outro. “Tendo em vista a noção coletiva de olimpíada, que designa o conjunto de jogos realizados em cada olimpíada da Grécia antiga, desde o ano 776 antes de Cristo, justifica-se o seu emprego no singular, tal como os coletivos dúzia e dezena”, ensina Antônio Geraldo da Cunha no artigo “Etimologizando...” (Na ponta da língua, v. 2, Ed. Lucerna, RJ, 2002).

Entretanto, perdeu-se a noção etimológica e mesmo a noção coletiva da palavra quando começaram a ser realizados os jogos modernos. Como “jogos” é plural, referindo-se a modalidades diversas, foi natural que se passasse a usar também o plural olimpíadas. E isso não aconteceu somente na língua portuguesa. Em francês e italiano, por exemplo, se diz modernamente olympiades e olimpiadi. “Assinale-se, ainda, que para designar o conjunto dos jogos olímpicos, o latim empregava o neutro plural olympia (no genitivo olympiorum)”, esclarece Cunha.

O apagamento da noção coletiva do vocábulo também ocorre com outras palavras, como o substantivo “material”, que veremos a seguir.

A palavra material aceita plural (materiais), uma vez que já encerra uma ideia de coletivo? A. A., Rio das Ostras/RJ

Em tese, o subst. material é coletivo, pois nele está embutida a ideia de um conjunto de objetos, apetrechos, instrumentos. Trata-se de utensílios, ou de mobiliário, ou de armamento (material bélico), ou de amostras para exame de laboratório. Assim, é suficiente dizer, por exemplo, “vende-se material escolar”, em vez de “materiais escolares”.

Contudo, o sentimento em alguns casos é que se deve usar o plural quando se fala de mais de um conjunto de material. Na loja que vende “materiais de construção” passa-se a ideia de telhas, pisos, louças de banho, mais pregos, areia, tijolos – a soma de cada material constituindo materiais. Mas está absolutamente correto falar “vende-se material de construção”, apesar da preferência nacional pelo plural neste caso específico.

Outra situação em que se tornou praxe o uso do plural é o de Engenharia de Materiais, porquanto se faz referência a vários tipos de material: elétrico, hidráulico, mecânico etc.

O termo material também diz respeito a “substância constituinte” (material flexível, material vulcanizado) e a “tudo o que pode ser retirado da terra” (utilizou materiais como conchas, folhas, corais). Também nessas hipóteses há uma influência da ideia de vários tipos de material – pluralidade –, que apaga a noção de coletivo da palavra original. 

Quanto a jurisprudência, também um substantivo coletivo, deve ser utilizado no singular, uma vez que por ele se entende, resumidamente falando, o conjunto de decisões dos tribunais no mesmo sentido, ou seja, uma série de julgados similares. O termo jurisprudência só seria usado no plural se significasse um determinado julgado, um acórdão, uma decisão, uma unidade enfim. Como não se trata disso, é errôneo falar em “jurisprudências”. Pelo menos até onde se puder sustentar esse uso.

3 comentários:

  1. Oi! Cairia no mesmo erro dos jogos sem titubear. E só não caí por não ter escrito nada sobre o tema. Mas nem sou jornalista e nem nada. Sou um espermatozoide errante que insiste em ser gente por ter se enamorado de um óvulo. Muitas coisas legais aqui, Patricia. E se bem entendi, “jurisprudências” só na corte do Juiz Mussum, sim? [sorrio] Convido para que comente em meu blog http://jefhcardoso.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que no tribunal do Mussum, seria "jurisprudêncis"! hehehe...
      Obrigada pela visita, a qual vou retribuir em seu blog, pra conhecer o que tem por lá!
      Abç.!

      Excluir
  2. Muito obrigada por compartilhar informação de tamanha relevância! Amei!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!

Após escrever seu comentário, clique em "comentar como". Vai aparecer uma lista de opções e se você não for usuário de nenhuma delas, clique em "nome/URL". Apenas escreva seu nome. O campo URL é opcional, e nele é preenchido o endereço do seu blog ou site, caso tenha.

Depois é só clicar em "continuar" e em "publicar" (às vezes o sistema pede pra você provar que não é um robô, daí é só clicar no quadradinho, tá?).

Vou adorar ler o que tem para compartilhar comigo... :)