29 de julho de 2013

Cumplicidade que muda a gente pra sempre...


"Eles se amam. Todo mundo sabe mas ninguém acredita. Não conseguem ficar juntos. Simples. Complexo. Quase impossível Ele continua vivendo sua vidinha idealizada e ela continua idealizando sua vidinha. Alguns dizem que isso jamais daria certo. Outros dizem que foram feitos um para o outro. Eles preferem não dizer nada. Preferem meias palavras e milhares de coisas não ditas. Ela quer atitudes, ele quer ela. Todas as noites ela pensa nele, e todas as manhãs ele pensa nela. E assim vão vivendo até quando a vontade de estar com o outro for maior do que os outros. Enquanto o mundo vive lá fora, dentro de cada um tem um pedaço do outro. E mesmo sorrindo por ai, cada um sabe a falta que o outro faz. Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos. É fácil porque os dias passam rápidos demais, é difícil porque o sentimento fica, vai ficando e permanece dentro deles. E todos os dias eles se perguntam o que fazer. E imaginam os abraços, as noites com dores nas costas esquecidas pelo primeiro sorriso do outro. E que no momento certo se reencontrem e que nada, nada seja por acaso."

Mulherzice, mas sem frescura :: decoração de mesa de jantar

Eu adoro um frufru em tudo o que eu faço. Se é uma mesa pro jantar, gosto de flores, talheres com lacinhos, passarinhos de porcelana...

Mas há quem não goste dessa "doçura" toda e prefere uma decoração mais fosca, menos melosa. Não dá pra definir muito em palavras, mas dá pra ver nessas fotos de uma mesa decorada bem ao estilo "mulherzice sem frescura", sem perder nada do bom gosto.

Até eu, que gosto dos frufrus, me rendi a estes encantos.

Espetacular!



Minha horta, agora sim, vertical

Semana passada fiz um post sobre a horta vertical que estou fazendo nos fundos da casa da minha mãe. Os vasos foram preparados, as mudinhas de ervas, plantadas... Mas faltava pendurar na parede porque eu não tenho muita habilidade com a furadeira.




Então, no sábado, meu pai se prontificou ao serviço. Mesmo com os tendões do ombro rompidos, por causa de uma queda, ele foi fofo o e furou a parede pra mim.

Esses 10 vasinhos aí em cima são os que compõem a hortinha, por enquanto. Não tem manjericão, né? É que meu pé de manjericão (foto abaixo) já parece uma árvore! Pena ser um canteiro tão pequeno, para tanta vontade de revirar essa terra...


Manjericão











Esta orquídea (abaixo) ainda é uma planta bem nova. Segundo o produtor, na fase adulta, dobrará de tamanho e dará flores amarelas em cachos. O formato do vaso permite que ele esteja sempre cheio de água, e a planta, através do barro, puxe para si somente a quantidade necessária por dia. 





E a pequena quis ajudar. Olha só que bonitinha, já escrevendo...




25 de julho de 2013

Emocionando com João Carlos Martins

Podem me cheirar, estou exalando coisa boa!!! rsrsrs... É que na terça, dia 23, fui assistir a uma apresentação do maestro João Carlos Martins. O espetáculo aconteceu no Teatro do CIEE, no Itaim. No repertório, Bach e Mozart.


No final, em seu "bis", o maestro tocou Luiza. Foi fantástico, sensacional, espetacular, maravilhoso... Infelizmente a bateria da minha máquina me deixou na mão e não consegui gravar, mas achei um vídeo no youtube dele tocando Luiza, no Roda Viva. Detalhe para as mãos e o exemplo de superação. Vale muito a pena ver...

24 de julho de 2013

Bebendo à luz da bebida


Olhem só que luminárias mais bacanas. Essa, feita de garrafa de tequila, custa R$ 179,79, mais a taxa de envio de R$ 134,27, o quer não precisa necessariamente ser pago porque é só mandar cortar as garrafas que temos em casa. Não são lindas?

Deixo o link para a loja.






Sanfonas em luto

"Numa tarde bem tristonha
Gado muge sem parar
Lamentando seu vaqueiro
Que não vem mais aboiar
Não vem mais aboiar
Tão valente a cantar
Tengo, lengo, tengo, lengo, tengo, lengo, tengo
Ei, gado, oi"
A morte do Vaqueiro - Dominguinhos

* 12.02.41 - Guarunhuns
+ 23.07.13 - São Paulo


22 de julho de 2013

Moraes Moreira no Sesc Pinheiros

"Eu sou um pássaro que vivo avuando
vivo avuando, sem nunca mais parar.
Ai, ai, saudade
não venha me matar..."

Um vez, há uns 20 anos, meu amigo Luiz me falou sobre como ficava encantado com a beleza de letras de músicas tão simples. "Como pode uma coisa ser tão simples e tão bonita?", ele me disse, ouvindo "Noiva", do Belchior.

Ele tem toda a razão do mundo, e sempre que ouço alguma coisa assim, lembro desse dia... dessa conversa...

Foi assim ontem, no show do Moraes Moreira, que aconteceu no Sesc Pinheiros.


Pandeiro Brasil

Festa do Interior

Pombo Correio

Preta Pretinha

Minha horta vertical :: Temperos e chás

"Tô vendendo ervas
Que curam e acalmam
Tô vendendo ervas
Que aliviam e temperam..." 
O Rappa


No post anterior, falei sobre minha ida à Ceagesp para comprar mudinhas de ervas que servirão na elaboração de uma hortinha vertical. Não cheguei muitíssimo cedo lá, e então não consegui grande variedade das mudinhas. Ao todo, só tenho10 diferentes. No mesmo lugar, comprei os vasinhos de barro e chegando em casa, pus mãos à obra.


Primeiro, preparei os vasos com Neutrol, uma substância impermeabilizante, à base de solvente, que evita que o barro consuma toda a água da terra. Cada vaso me custou R$ 2,50 e o litro de Neutrol, R$ 18,00.



Esse produto não seca muito rapidinho, e é bem pegajoso, mas parece resolver mesmo o problema da umidade do barro. Enquanto secava, deu tempo de limpar o canteiro de plantas no quintal da casa da minha mãe, ir à manicure, ler, e ainda esperar e esperar... Depois que enchi os vasinhos de terra e molhei, dá pra ver pelo lado de fora do vaso que onde tem Neutrol, fica sequinho. 




Plantei Cidreira, Zatta, Orégano, Tomilho-limão, Hortelã, Poejo, Alecrim, Boldo (uma espécie pequenininha e diferente - ver foto acima), Arruda e Sálvia. Cada muda custou R$ 0,70. Ainda falta pendurar na parede e identificar as plantas. Feito isso, mostro de novo.

Passeando pela Ceagesp:: Feira de Plantas

Sempre falo aqui no blog que um dos meus passeios favoritos em São Paulo, durante o dia, é o mercadão, no centro da cidade. De fato é um dos preferidos mesmo. Mas entre eles está também a Ceagesp (que apesar de ter esse nome desde 1969, ainda é conhecida como Ceasa), principalmente no dia da feira de flores: sexta-feira.


Para se conseguir as melhores flores e a variedade esperada, é preciso chegar bem cedo. Os grandes comerciantes chegam de madrugada, quando o dia ainda nem amanheceu, e é comum esbarrarmos nos carregadores que circulam com grandes carrinhos por lá. Às 10h, mais ou menos, a feira começa a ser desmontada.

Em minha última visita, na sexta, fui focada a comprar mudas de ervas para a elaboração de uma horta vertical. Confesso que é meio sem graça comprar mudas de ervinhas no meio de tanta flor. Dessa vez, fiquei especialmente encantada com um box que comercializa orquídeas: Vico Orquídeas.

Dá uma olhada no que eles têm!


Segundo o produtor, essa é uma planta muito nova ainda. Ela deve dobrar de tamanho, e, na fase adulta, que demora uns 2 anos a acontecer, dará orquídeas amarelinhas, em cacho. O interessante desse arranjo é que basta manter o vaso cheio d'água que a raiz da planta, aliada à porosidade do barro, dão conta de manter a orquídea úmida. 

Levei pra casa, claro, e estou mantendo o arranjinho sob luz indireta, conforme orientação do proprietário do box.


Todas as outras imagens abaixo também são do mesmo box. Muito lindas...