28 de fevereiro de 2013

Palavras que fazem a diferença :: Sobre saber ouvir


Palavras, verdadeiras ou não, podem valer por um placebo de hormônio. A que mais me comove nem é diretamente sobre sexo. O que importa é a manha, o jeitinho como fala, esse jeitinho que todo mundo conhece e pratica no início de qualquer processo de flerte. Mesmo o caubói que não tem nem mesmo onde alimentar seu pobre mustang paraguaio sabe disso.

Mas a mesma língua que afaga, apedreja. É capaz de tirar o sono, o humor e até o chão com apenas uma palavra. Quando ela é dita sem direito à réplica, dói. Quando a réplica lhe é permitida sem a verdadeira disposição para ser escutada e entendida, também dói. E quando é dita sem ponderação, apenas com o objetivo de ferir, aí estraçalha.

Gozado como essa rajada de tiros verbais geralmente vem de quem nos é mais próximo. Acho que a intimidade faz isso. Dá essa permissão nociva que corrompe, desgasta. Mas todo mundo sabe que isso é assim mesmo. A gente tem a péssima mania de achar que pode descarregar o dia ruim, o sono mal-dormido ou a crítica não-aceita em cima de quem nos quer bem. 

Eu mesmo levo umas e outras de quem eu quero tanto bem. E entendo isso. Também devo soltar as minhas, obviamente... E já que sabemos como isso funciona, cabe-nos exercitar o bom-senso e relevar as palavras doídas que recebemos ou nos desculparmos pelas ferroadas que soltamos.

Se não dá para conter algumas coisas que dizemos na hora da raiva, então vale exercitar o ato de pedir desculpas, por mais singelo que isso pareça ser. 

Mas, aos iniciantes nessa prática, fica uma dica: se não conseguimos pensar antes de falar certas coisas, devemos ao menos pensar no depois. Ouvir e estar realmente disposto a entender o que as pessoas tem a dizer é um bom começo pra melhorar as relações humanas.

Mesmo porque gente perfeita não existe. Então, saibamos relevar os defeitos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!

Após escrever seu comentário, clique em "comentar como". Vai aparecer uma lista de opções e se você não for usuário de nenhuma delas, clique em "nome/URL". Apenas escreva seu nome. O campo URL é opcional, e nele é preenchido o endereço do seu blog ou site, caso tenha.

Depois é só clicar em "continuar" e em "publicar" (às vezes o sistema pede pra você provar que não é um robô, daí é só clicar no quadradinho, tá?).

Vou adorar ler o que tem para compartilhar comigo... :)